A Revolução Iraniana (parte 1 de 3)  A Revolução Iraniana (parte 2 de 3)  A Revolução Iraniana (parte 3 de 3) Etíope resgatado... e libertado, de Manuel Ribeiro Rocha

 Mais Vídeos em - LEITURA OBRIGAHISTòRIA

22/08/2016

A hidra e os pantanos : quilombos e mocambos no Brasil (secs. XVII-XIX)


A hidra e os pantanos : quilombos e mocambos no Brasil (secs. XVII-XIX)
Autor(es): Flavio dos Santos Gomes

Resumo:
Resumo: Em todas as áreas das Américas Negras onde se estabeleceram grupos de escravos fugidos, destaca-se a maneira como se forjaram políticas de alianças entre os fugitivos com outros setores da sociedade envolvente. Assim foi também no Brasil, em todas as regiões escravistas onde quilombolas procuraram se organizar econômica e socialmente em grupos e comunidades. Tentavam manter a todo custo sua autonomia e ao mesmo tempo agenciavam estratégias de resistência junto a indígenas, taberneiros, fazendeiros, lavradores, até autoridades coloniais e principalmente aqueles que permaneciam escravos. A partir de tais estratégias e experiências -- permeadas de contradições e conflitos -- os fugitivos determinaram os sentidos de suas vidas como sujeitos de sua própria história. Nesta tese analisamos as experiências históricas dos quilombolas na Amazônia Colonial, no Maranhão e comparativamente outras áreas coloniais brasileiras, destacando como eles estavam articulados sócio-economicamente a sociedade envolvente mas também representavam uma ameaça para ela


Para baixar - http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000114218




 "Na idade média, o homem reza antes de sair de casa, hoje ele lê o jornal"   O último discurso de Martin Luther King,   Inauguração do Metrô de Mescou, 1935 
Diferencia entre los mayas y aztecas O Tráfico de escravos do Atlântico em 2 minutos. A Serpente emplumada, a história de Quetzalcoatl

Mais Vídeos AcervoPlay

Públicidade

Receba nossas postagens diretamente no seu celular. Basta enviar uma mensagem pelo WhatsApp com seu nome para - 55 91 981827693, e pronto.