sábado, 1 de outubro de 2016

Fondos antiguos digitalizados - Biblioteca Rafael García Granados Instituto de Investigaciones Históricas -México

...
Biblioteca Rafael García Granados
Instituto de Investigaciones Históricas

Fondos antiguos digitalizados



Via - http://biblio.unam.mx:8240/index.php/recursos-enlinea/fondos-antiguos

IPTV USP - projeto que visa democratização da informação gerada internamente na Universidade de São Paulo

...
VIA iptv USP

IPTV USP - projeto que visa  democratização da informação gerada internamente na Universidade de São Paulo




Este projeto teve como motivação a observação da necessidade de melhores mecanismos de gerência para a distribuição de vídeos em serviços na Internet. Considerando estes aspectos e com o subsidio da RNP (Rede Nacional de Ensino e Pesquisa), o grupo (GTGV – Grupo de Trabalho em Gerência de Vídeo) investigou, especificou e desenvolveu a primeira versão da plataforma de gerência de distribuição de vídeos. Esta plataforma foi adaptada, pelo mesmo grupo, em diferentes implantações, onde uma delas foi o IPTV USP Experimental lançado em 2007.

O resultado de todo este trabalho foi um produto de escopo amplo, que atende não só as necessidades relacionadas ao processo de publicação e consumo de vídeos ao vivo ou sob demanda, mas também uma ferramenta importante no sentido que possibilita uma gerência mais efetiva dos serviços disponilizados pela rede.

De seu lançamento para cá, o sistema esteve em operação atendendo as necessidades de transmissão de vídeo da Universidade de São Paulo, e passou a servir como ponto centralizador das principais produções audiovisuais internas, realizados pela TV USP, pelo Estúdio Multimeios, pela Escola de Comunicação e Arte e pelo Núcleo Vídeo FAU, entre outros. Além disso, com um grande número de transmissões de eventos ao vivo que ocorreram nos principais auditórios da universidade, estes registros passam a fazer parte do acervo de vídeo sob demanda, que fica a disposição dos usuários. Com isto contamos atualmente com uma biblioteca de mais de 17.500 vídeos, que podem ser acessados a qualquer hora e de qualquer lugar através de uma conexão Web.

Durante todo este tempo, o sistema foi bastante usado e testado, e assim foi amadurecendo. Com investimento da Superintendência de Tecnologia da Informação (STI) foi possível, utilizando a experiência anterior, a avaliação das falhas e necessidades observadas e as novas tecnologias que surgiram, desenvolver esta nova versão que está sendo colocada a disposição agora, como o serviço IPTV USP. Esta versão conta com uma nova plataforma e com servidores de vídeo desenvolvidos para o serviço.

O principal objetivo do serviço IPTV USP é permitir a democratização da informação gerada internamente na Universidade de São Paulo, auxiliando assim no papel fundamental da universidade pública que é educar, e em um sentido mais amplo, ultrapassando os portões de nossos campi. Sendo assim, esperamos que tal sistema possa beneficiar toda a comunidade através de acesso ao conhecimento e a informação.

A Rota do Escravo - A Alma da Resistência

...
No filme "A Rota do Escravo - A Alma da Resistência", a história do comércio de seres humanos é contada através das vozes de escravos, mas também dos mestres e comerciantes de escravos.

Cada um conta sua experiência: da deportação de homens e mulheres para as plantações até o cotidiano do trabalho e os movimentos de abolição.

Produzido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), traduzido e dublado pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Mapa interativo de “A Odisseia”

...
Mapa interactivo de “La Odisea”

Tras 10 años de guerra contra Troya, Ulises (Odiseo) emprende el camino de regreso a Ítaca. El viaje a casa debería haber durado unas semanas pero en cambio duró una eternidad… Ahora un mapa interactivo  reproduce el viaje de Odiseo que dejará contentos a aquellos a los que les apasiona la historia clásica.

Clique na imagem para acessar aplicação


Si te interesa la cultura y la historia griega, puedes participar a nuestros cursos de griego moderno, desde cualquier parte del mundo.


Publicações e artigos: Pedro Paulo Abreu Funari

...

Publicações e artigos: Pedro Paulo Abreu Funari

FUNARI, P. P. A. Resenha de “The Eurasian Miracle” de Jack Goody. Revista de Antropologia Social, v. 2, p. 130-132, 2010.



FUNARI, P. P. A.; Funari, R.S. Ancient Egypt and Brazil: a theoretical approach to the uses of the past 3rd May 2009. 2009.



FUNARI, P. P. A. Resenha de Bart Ehrman, O que Jesus disse, o que Jesus não disse?. Revista Jesus Histórico, v. 2, p. 1-5, 2009.



FUNARI, P. P. A. Resenha de “Las ventas por subasta”, de Marta García Morcillo. Revista Archai: Revista de Estudos sobre as Origens do Pensamento Ocidental, v. 1, p. 113-115, 2008.



FUNARI, P. P. A. La divination archaïche en Israel et la monolatrie jahviste. Antigüidade Clássica, v. 1, p. 60-69, 2008.



FUNARI, P. P. A.; GARRAFFONI, R. S. Gênero e conflitos no Satyricon: o caso da Dama de Éfeso. História. Questões e Debates, v. 48/49, p. 101-117, 2008.



FUNARI, P. P. A.; PEREZ, D. ; SILVA, G. J. . Arqueología e Historia del mundo antiguo: aproximaciones periféricas. In: Pedro Paulo A. Funari; Dionisio Pérez; Glaydson José da Silva. (Org.). Arqueología e Historia del mundo antiguo: contribuciones brasileñas y españolas. 1 ed. Oxford: Archaeopress, 2008, v. 1, p. 1-2.



FUNARI, P. P. A. Resenha de “L´archéologie nazie en Europe de l’Ouest”. Public Archaeology, v. 7, p. 135-138, 2008.



FUNARI, P. P. A. Teoria e Arqueologia Histórica: a América Latina e o Mundo. Vestígios, v. 1, p. 49-56, 2007.



PINON, A.; FUNARI, P. P. A. Telling the children about the past in Brazil. In: Nena Gelanidou; Liv Helga Hommasnes. (Org.). Telling the children about the past, an interdisciplinary perspective. Ann Arbor: International Monographs in Prehistory, 2007, v. 1, p. 291-311.



FUNARI, P. P. A. The World Archaeological Congress from a Critical and Personal Perspective 01/07/2006. Archaeologies. World Archaeological Congress, Blue Ridge Summit, USA, v. 2, n. 1-2006, p. 73-79, 2006.



SILVA, M. A. O. Identidades, discurso e poder: estudos da arqueologia contemporânea. Vitória da Conquista: Politéia – Edições UESB, 2005. Resenha de: FUNARI, P. P. A. (Org.); Charles E. Orser, Jr. (Org.); SCHIAVETTO, S. N. O. (Org.). Identidades, discurso e poder: estudos da Arqueologia contemporânea. 1. ed. São Paulo: Annablume, 2005. 250 p.



FUNARI, P. P. A.; ZARANKIN, A. Social archaeology of housing from a Latin American perspective. Journal of Social Archaeology, Londres e Nova Iorque, v. 3, n. 1, p. 23-48, 2003.



FUNARI, P. P. A. Reseña de libro, “Arqueología de rescate en el Banco Central de la República Argentina”. Intesecciones de Antropología, Olavarría, v. 3, n. 2002, p. 131-133, 2002.



FUNARI, P. P. A. Resenha de “O dono da voz e a voz do dono: a parábase na comédia de Aristófanes.”. Classica, São Paulo, v. 13/14, n. 13/14, p. 435-442, 2000/2001.



FUNARI, P. P. A. Como se tornar arqueólogo no Brasil. Boletín de Antropología Americana, São Paulo, v. 44, p. 74-85, 2000.



FUNARI, P. P. A. Considerações em torno das “Teses sobre filosofia da História” de Walter Benjamin. Revista Crítica Marxista, Unicamp – SP, Nº 3, 1996.



FUNARI, P. P. A. L’Huile Et L’Economie de La Bretagne Romaine. RECHERCHES BRESILIENNES, p. 95-115, 1994.



VIA - www.umanas.ifpr.br

Arquivos digitais: THE BRITISH LIBRARY

...

VIA - Acervos de História

Arquivos digitais: THE BRITISH LIBRARY

O site da British Library contém informações completas sobre a biblioteca, o âmbito de suas coleções, e como usar seus serviços. Há também uma série de catálogos e conteúdo digital. Aqui está uma seleção de recursos.

Clicando em Collection, no topo da página, você pode verificar todas as formas de pesquisa possíveis e os materiais disponíveis, como por exemplo: jornais, uma lista de mais de 250 livros ingleses da época da Renascença, manuscritos.

Além disso, tudo você ainda tem acesso a mais de 90.000 imagens na Galeria Online.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Indicações Bibliográficas da UFPA para MOBIN / MOBEX

...


Indicações Bibliográficas da UFPA para MOBIN / MOBEX 

Obs - Neste documento estão indicações e sugestões de bibliográficas que foram publicadas no Edital deo Certame de 2011, contudo não houve qualquer menção em outros editais posteriores sobre novas indicações. 

Conteúdo Programático com indicação bibliográfica em PDF


PROCESSO SELETIVO À MOBILIDADE ACADÊMICA EXTERNA 2011
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1. LÍNGUA PORTUGUESA
Conteúdo:

• Tipos de textos
• Linguagem verbal e não-verbal
• Conteúdo do texto
• Relações semântico-discursivas entre idéias no texto e os recursos lingüísticos usados em
função dessas relações
• Modalizações no texto e os recursos lingüísticos usados em função dessas modalizações
• Níveis de linguagem
• Linguagem denotativa e linguagem conotativa
• Figuras de linguagem (comparação, metáfora, eufemismo, prosopopéia, onomatopéia, antítese,
paradoxo, hipérbole, perífrase, silepse, hipérbato, metonímia, ironia, sinestesia, aliteração)
• Fenômenos semânticos: sinonímia, homonímia, antonímia, paronímia, hiponímia, hiperonímia,
ambiguidade
• Ordem das palavras/orações no enunciado
• Estrutura do enunciado
• Discursos direto e indireto
• Escrita do texto

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS
Textos teóricos

BRASIL, Ministério da Educação e dos Desportos. Secretaria do Ensino Fundamental.
Parâmetros Curriculares Nacionais. Língua Portuguesa. Brasília, 1995.
FONSECA, Irene, FONSECA, Joaquim. Pragmática lingüística ensino do português.
Coimbra: Almedina, 1977.
GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro, Fundação Getúlio
Vargas, 1973.
GERALDI, José Wanderley. Linguagem e ensino. Campinas: Mercado de Letras, 1990.
ILARI, Rodolfo. A lingüística e o ensino da língua portuguesa. 4ª ed. São Paulo: M. Fontes,
1992.
KLEIMAN, Ângela. Oficina de leitura: teoria e prática. São Paulo, Pontes, 1996.
KOCH, Ingedore VILLAÇA; TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A coerência textual. São Paulo,
Contexto, 1990.
KOCH, Ingedore Villaça. A coesão textual. São Paulo, Contexto, 1989.
KOCH, Ingedore Villaça. Argumentação e linguagem. São Paulo, Cortez, 1984.
NEVES, Maria H. de Moura. Gramática de usos do português. São Paulo, UNESP, 2000.
POSSENTI, Síro. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP, ALB: Mercado
do Letras, 1996.
SIQUEIRA, João Hilton Sayeg. Organização do texto dissertativo. São Paulo, Selinente,
1995.
SUASSUNA, Lívia. Ensino de língua portuguesa: uma abordagem pragmática. Campinas,
SP: Papirus, 1995.
TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática
no 1º e 2º graus. São Paulo, Cortez,1996.
Textos didáticos
CEREJA, William Roberto, MAGALHÃES, Thereza Cochar. Gramática Reflexiva: texto,
semântica e interação. São Paulo: Atual, 1999.
CARNEIRO, Agostinho Dias. Texto em construção: interpretação de textos. São Paulo:
Moderna, 1992.
FARACO, Carlos Emílio, MOURA, Francisco Marto. Língua e Literatura. 15 ed. São Paulo:
Ática, 1995. V. 1.
FIORIN, José Luiz , SAVIOLI, Francisco. Para entender o texto: leitura e redação.3 ed. São
Paulo: Ática, 1991.
INFANTE, Ulisses. Curso de gramática aplicada aos textos. 2.ed. São Paulo: Scipione, 1995.
_______________. Do texto ao texto – curso prático de leitura e redação. São Paulo:
Scipione, 1991.
LIMA, Carlos Henrique da Rocha , NETO, Raimundo Barbadinho. Manual de Redação. 4. Ed.
Rio de Janeiro; FAE,1990.
SOUZA, Luiz Marques de , CARVALHO, Sérgio Waldeck. Compreensão e produção de
textos. 3. Ed. Petrópolis: Vozes, 1995.
TERRA, Ernani, NICOLA, José. Gramática, literatura & redação para o 2º grau. São Paulo:
Scipione, 1997.
VALENTE, André. A linguagem nossa de cada dia. Petrópolis: Vozes, 1997.


2. LITERATURA

1. TEXTO LITERÁRIO E NÃO-LITERÁRIO
1.1. Texto literário e não-literário.
1.2. Prosa e poema.
1.3. Abordagem tripartida dos gêneros literários: lírico, épico e dramático.
1.4. As categorias básicas da narrativa.
1.6. O conceito de estilo literário.

2. TEXTO LITERÁRIO MEDIEVAL — AS EXPRESSÕES LÍRICAS E DRAMÁTICAS
2.1. A poesia trovadoresca
- Leitura de cantigas de amor e de amigo

3. TEXTO LITERÁRIO CLÁSSICO
3.1. Classicismo renascentista
- Leitura do episódio “O Gigante Adamastor” (Canto V, estrofes 37-60) de Os Lusíadas, de Camões

4. TEXTO LITERÁRIO BARROCO
4.1. Barroco
— Leitura de poemas de Gregório de Matos Guerra

5. TEXTO LITERÁRIO NEOCLÁSSICO, ÁRCADE E PRÉ-ROMÂNTICO
5.1. Arcadismo e Neoclassicismo
- Leitura de poemas líricos de Bocage
- Leitura de poemas líricos de Tomás Antônio Gonzaga
5.2. A presença do Pré-Romantismo nos versos de Bocage e de Tomás Antônio Gonzaga
5.3. Os elementos constitutivos do texto poético nos poemas dos escritores árcades

6. ROMANTISMO — O INDIVIDUALISMO, O NACIONALISMO E O SENTIMENTO DE
LIBERDADE
6.1. Romantismo
- Leitura de poemas de Gonçalves Dias
- Leitura de poemas de Álvares de Azevedo
- Leitura de poemas de Castro Alves
- Leitura do romance Cinco Minutos

7. REALISMO-NATURALISMO — O MATERIALISMO ESTÉTICO E A CONCRETUDE DA
REALIDADE
7.1 Realismo, Naturalismo e Parnasianismo
. Leitura de O Alienista, de Machado de Assis
. Leitura do conto “O Voluntário”, de Inglês de Sousa
. Leitura da narrativa José Matias, de Eça de Queirós
. Leitura de poemas de Olavo Bilac
. Leitura de poemas de Cesário Verde

8. SIMBOLISMO — A ESTÉTICA DA ESPIRITUALIDADE E A SUGESTÃO DO REAL
8.1 Simbolismo
8.1.1 Leitura de poemas de Cruz e Sousa
8.1.2 Leitura de poemas de Camilo Pessanha

9. MODERNISMO — O LIRISMO E A CRÍTICA POLÍTICO-SOCIAL DA REALIDADE
9.1. Modernismo
9.1.1 Leitura do conto “Embargo” (Objecto Quase), de José Saramago
9.1.2. Leitura de poemas de Álvaro de Campos
9.1.3. Leitura de Batuque, de Bruno de Meneses
9.1.4. Leitura dos contos “Famigerado” e “A terceira margem do rio”, de Guimarães Rosa
9.1.5. Leitura de poemas de Carlos Drummond de Andrade.

SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS:
• Textos teóricos

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. O brasileiro, um leitor em formação. In: A formação da
leitura no Brasil. São Paulo: Ática, 1998.
ZILBERMAN, Regina. A leitura e o ensino da literatura. São Paulo: Contexto, 1991.
• Bibliografia do Aluno
ALENCAR, José de. Cinco minutos. São Paulo: Ática.
BOCAGE, Manuel Maria Barbosa du. Poesia. Rio de Janeiro: Agir, 1985. 164 p.
CAMÕES, Luís de. Os Lusíadas; ed. org. por Emanuel Paulo Ramos. Porto: Porto, 1985. 642 p.
GONZAGA, Tomás Antônio. Poesia Completa. In: A poesia dos inconfidentes. Rio de Janeiro: Nova
Aguilar, 1996. p. 531-896.
MATOS, Gregório de. Poemas escolhidos. São Paulo: Cultrix, 1976.333p.
O LIVRO de Cesário Verde; introd. por Maria Ema Tarracha Ferreira. Lisboa: Ulisseia, s. d. 174p.
PESSOA, Fernando. Obra Poética. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1986. 842p.
ROSA, João Guimarães. Primeiras estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.
SARAMAGO, José. Objecto Quase. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. 134p.
SOUSA, Cruz e. Poesia Completa. Rio de Janeiro: EDIOURO, s. d. 118p.
SOUSA, Inglês de. Contos amazônicos. Belém: Ed. UFPA.
• Bibliografia do Professor
A LITERATURA PORTUGUESA EM PERSPECTIVA. Trovadorismo e Humanismo. São Paulo:
Atlas, 1992. 213 p.
CAMÕES, Luís Vaz de. Os Lusíadas. São Paulo: Ática, 1990. 115p.
CORREIA, Natália. Cantares dos trovadores galego-portugueses. Lisboa: Estampa, 1970. 200 p.
CANDIDO, Antonio; CASTELLO, José Aderaldo. Presença da Literatura Brasileira: das origens ao
realismo. 8. ed. São Paulo: Bertrand Brasil, 1997. 340 p.
BOSI, Alfredo. História concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, 1988. 368 p.
COUTINHO, Afrânio (org.). A Literatura no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio; Niterói: UFF,
1986. 6 v.
MARTINS, Wilson. História da Inteligência Brasileira. 2. ed. São Paulo: Cultrix, 1977. 5 v.
MOISÉS, Massaud. História da Literatura Portuguesa. São Paulo: Cultrix, 1998. 212 p.
SARAIVA, António; LOPES, Óscar. História da Literatura Portuguesa. Porto: Porto, s.d. 1200 p.

3. MATEMÁTICA
Ementa: Números Reais. Funções elementares. Limite e Continuidade. Derivada. Regras de
Derivação. Derivada das funções elementares. Técnicas de Primitivação. Aplicações da derivada.
Objetivos: Estudo de funções de uma variável, limites, continuidade e derivadas, numa abordagem não
formal.
Pré-requisitos: Geometria Analítica

Bibliografia:
[1] Ávila, G. Cálculo I. Livros técnicos e científicos.Editora S.A.
[2] Boulos, P. Introdução ao Cálculo, vol.I, Edgard Blücher, São Paulo, 1978.
[3] Guidorizzi, H.L Um Curso de Cálculo, vol.I, Livros Técnicos e Científicos, 1985.
[4] Lang, S. Cálculo, vol.I, Livro Técnico, Rio de Janeiro, 1977 .
[5] Malta, I., Pesco, S. e Lopes, H. Cálculo de uma variável: Derivada e Integral. Vol. II, Editora
PUC-Rio: Loyola, 2002.

4. HISTÓRIA
TEMAS:

1. O tempo histórico.
2. Teorias da História: Marxismo e Escola dos Annales
3. A Antiguidade Clássica: Grécia e Roma, as condições de trabalho, a organização política e
social.
4. Feudalismo: estruturas políticas e relações de poder na sociedade medieval na Europa
Ocidental.
5. A Amazônia colonial: formas de organização do trabalho indígena.
6. As relações de trabalho no Brasil colonial: a escravidão negra e indígena
7. A vida e o trabalho no seringal da Amazônia brasileira: final do século XIX e as primeiras
décadas do XX.
8. A revolução industrial inglesa: século XVIII.
9. Os abolicionismos e os republicanismos no Brasil.
10. A “abertura” política dos anos 1970 e 1980: os movimentos sociais.
11. A desestruturação do bloco socialista e a emergência de uma nova ordem mundial.

BIBLIOGRAFIA (sugestões)

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O Trato dos Viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São
Paulo: Companhia das Letras, 2000.
BLOCH, Marc. A Sociedade Feudal. Lisboa: Edições 70, s.d.
BOURDÉ, Guy & MARTIN, Hervé. As Escolas Históricas. Lisboa: Publicações Europa-América,
1983.
BLOCH, Marc. Introdução à História. 6 ed. Lisboa: publicações Europa-América, 1993.
CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: O imaginário da República no Brasil. São
Paulo: Companhia das Letras, 1990.
CANÊDO, Letícia Bicalho. A Revolução Industrial. Col. Discutindo a História. São Paulo: Atual,
1994.
COSTA, Emília Viotti da. Da senzala à colônia. São Paulo: Ed. da Unesp, 1998.
DUBY, Georges. Idade Média, Idade dos homens: Do amor e outros ensaios. São Paulo: Companhia
das letras, 1989.
FUNARI, Pedro Paulo Abreu. Antiguidade Clássica. 2 ed. Campinas,SP: Ed. da UNICAMP, 2003.
HOBSBAWM, Eric. A Era dos Extremos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
HOBSBAWM, Eric Da Revolução Industrial Inglesa ao Imperialismo. Rio de Janeiro: Forense, 1978.
PORRO, Antonio. As crônicas do rio Amazonas – Notas etnos históricas sobre as antigas populações
indígenas da Amazônia. Petrópolis: Rio de Janeiro: Vozes, 1992.
SANTOS, Roberto. História Econômica da Amazônia (1800/1920). São Paulo: T.A. Queiroz, 1980.
SKIDMORE, Thomas. Brasil: De Castelo a Tancredo (1964/1985) 3 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1989.
WEHLINH, Arno & WEHLING, Maria José C. Formação do Brasil Colonial. Rio de Janeiro: 1994.

5. GEOGRAFIA
TEMAS

1. Os processos histórico-políticos da institucionalização da Geografia.
2. O determinismo ambiental e a Geografia alemã.
3. A Geografia possibilista francesa: pressupostos teórico-metodológicos.
4. Do Espaço ao Meio Técnico-Científico-Informacional.
5. Entre o Mundo e o Lugar. Novos caminhos da Geografia.
6. O Vale do Amazonas e o controle do território nos séculos XVII, XVIII e XIX.
7. Pólos de desenvolvimento e a fronteira agrícola na Amazônia.
8. Grandes Projetos na Amazônia.
9. Geopolítica ambiental na Amazônia.
10. Novas Territorialidades e dinâmica econômica na Amazônia.
11. A expansão do agronegócio na Amazônia

BIBLIOGRAFIA(sugestões)

BECKER, Bertha K. Geopolítica da Amazônia. São Paulo:Garamond: 2006.
BECKER. Bertha K. Amazônia. São Paulo: Ática, 1990. (Série Princípios).
BECKER. Bertha K; MIRANDA, Mariana; MACHADO, Lia Osório (Orgs.). Fronteira Amazônica:
questões sobre a gestão do território. Brasília Rio de Janeiro: UNB UFRJ, 1990.
CASTRO, Edna et all. Industrialização e Grandes Projetos. Belém: EDUFPA, 1995.
COSTA, Paulo César Gomes. Geografia e Modernidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.
HEBETTE, Jean. Cruzando a fronteira: 30 anos de estudo do campesinato na Amazônia. Belém:
UFPA, 2004. 4 v.
GONDIM.Neide. A Invenção da Amazônia. São Paulo: Marco Zero, 1994.
MORAES, Antonio Carlos Robert. Geografia. Pequena história crítica. São Paulo:
HUCITEC, 1995.
MOREIRA, Ruy. Para onde vai o pensamento geográfico. Por uma epistemologia crítica. São Paulo:
Contexto, 2006.
SANTOS, Milton. A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: HUCITEC,
1998.
SANTOS, Milton. Por uma Geografia crítica. Da crítica da Geografia a uma Geografia crítica. São
Paulo: HUCITEC, 1982.

6. FÍSICA

1. Os Conceitos fundamentais diferenciais de Cinemática escalar e vetorial.
2. Formulações e aplicações dos movimentos unidimensionais, bidimensionais e tridimensionais.
3. As Leis de Newton e suas aplicações. O equilíbrio e o desequilíbrio de translação das partículas
e dos corpos rígidos. Sistemas sujeitos a forças de atrito e forças de resistência dependentes da
velocidade. A dinâmica dos movimentos curvilíneos.
4. Energia, Trabalho e Potência. O Teorema da Energia Cinética. A Conservação da Energia.
Sistemas conservativos e não-conservativos.
5. A Conservação do Momento Linear. Teorema do Impulso. Colisões.
6. A Lei de Newton nas Rotações. Torque. Equilíbrio e desequilíbrio de rotação. Momento de
Inércia.
7. A Conservação do Momento Angular.
8. O Oscilador Harmônico Simples.
9. As Leis de Kepler e a Lei da Gravitação Universal de Newton. Variações do campo
gravitacional. O movimento dos planetas e satélites.
10. Densidade e pressão. Pressão atmosférica. Fluidos ideais: o Teorema de Arquimedes e a
Equação de Bernoulli.
11. Ondas mecânicas. Ondas em uma corda. Ondas sonoras. Propriedades fisiológicas do som. O
Efeito Doppler. Ondas Estacionárias.

BIBLIOGRAFIA

- Física – Vols. 1 e 2 – Resnick/Halliday – Editora LTC
- Física – Vol.1 – Tipler – Editora LTC
- Curso de Física Básica – Vols. 1 e 2 – M. Nussenzveig – Editora Edgard Blucher

7. QUÍMICA

1. Estrutura Atômica
2. Ligações Químicas
3. Ácidos e Bases
4. Gases e Termodinâmica Química
5. Líquidos e Soluções
6. Estudo do Núcleo Atômico
7. Cinética Química
8. Equilíbrio Químico e Equilíbrio Iônico em Solução Aquosa
9. Eletroquímica

BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA

1. MAHAN, B.H. e MYERS, R.J. Química um Curso Universitário, tradução da 4a
 edição americana.
Edgar Blucher Ltda, São Paulo, 1993.
2. KOTZ, J. C. TREICHEL, P. Química & Reações Químicas, 3a
 edição vols. 1 e 2, Livros Técnicos e
Científicos S.A, Rio de Janeiro, 1998.
3. EBBING, D. D. Química Geral, 5a
 edição, vols.1 e 2, tradução de Macedo H, , Livros Técnicos e
Científicos S.A, Rio de Janeiro, 1998.
4. BRADY, J.; HUMISTON, G. Química Geral. Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., Rio de
Janeiro, 1983.
5. MASTERTON, W.L.; SLOWINSKI, E.J. Química Geral Superior, 4a
 edição. Editora
Interamericana, Rio de Janeiro, 1987.
6. QUAGLIANO, J.V.; VALLARINO, L.M. Química, 3a
 edição. Guanabara Dois, Rio de Janeiro,
1979.
7. RUSSEL, J. B. Química Geral. Makron Books do Brasil Ltda, São Paulo, 1994
8. BIOLOGIA

EIXO TEMÁTICO I - A célula como unidade estrutural e funcional dos seres vivos.
HABILIDADES

1. Relacionar os componentes químicos (orgânicos e inorgânicos) às estruturas celulares e suas
respectivas funções.
2. Descrever os processos de transporte ativo e passivo de substâncias através das membranas
biológicas.
3. Descrever as estruturas celulares, sua morfologia e fisiologia.
4. Compreender os processos metabólicos celulares.
5. Caracterizar o ciclo celular e as fases das divisões celulares (meiose e mitose).
6. Conhecer as bases moleculares da genética: estrutura e replicação do DNA, código genético, síntese
de proteínas, controle da expressão gênica; mutação gênica e origem de novos alelos.

CONTEÚDOS

a. Composição química da célula.
b. Células procarióticas e células eucarióticas vegetais e animais.
c. Biomembranas; estrutura, permeabilidade e transporte celular.
d. Componentes estruturais da célula com ênfase nas suas funções.
e. Metabolismo celular dos lipídios, carboidratos e proteínas.
f. Ácidos nucléicos: estrutura, síntese, controle e alterações.
g. Ciclo celular: interfase, divisão mitótica e meiótica.

EIXO TEMÁTICO II - Evolução e Diversidade dos seres vivos.
HABILIDADES

1. -Compreender as relações entre as mudanças na Terra (climáticas e geológicas) e o surgimento e a
evolução dos seres vivos.
2. -Conhecer as teorias científicas para explicar a evolução e diversidade dos seres vivos.
3. -Relacionar a diversidade dos seres vivos às fontes de variabilidade genética, ao processo de
seleção natural e a outros mecanismos evolutivos.
4. -Reconhecer as evidências dos processos evolutivos nos registros fósseis e nos aspectos anatômicos
e embriológicos dos organismos atuais.
5. -Conhecer a história evolutiva dos grandes grupos de seres vivos e os métodos de reconstrução
filogenética.

CONTEÚDOS

a) Formação da Terra e a origem da vida.
b) Teorias evolutivas e suas evidências.
c) Registro da vida na Terra e reconstrução da história evolutiva dos grandes grupos de seres vivos.
d) Mecanismos evolutivos de diversificação da vida. Fontes de variabilidade genética.
e) Processos de surgimento de novas espécies.
f) História evolutiva do Homem. Formação das populações humanas atuais.

EIXO TEMÁTICO III - Seres Vivos e Ambiente.
HABILIDADES

1. -Reconhecer os níveis de organização da Ecologia.
2. -Conhecer os métodos de estudo de ecologia: hipóteses, desenho experimental, interpretações.
-Compreender como os organismos respondem às condições do meio e como se distribuem no
espaço (adaptações dos organismos em seus ambientes ecológicos).
3. -Identificar os principais fatores abióticos e suas relações com as adaptações e diversificação dos
seres vivos.
4. -Caracterizar os tipos de interações que ocorrem entre os organismos.
5. -Reconhecer os fatores que regulam as populações naturais.
6. - Conhecer como a energia é produzida nos sistemas ecológicos.
7. - Compreender a dinâmica da energia ao longo da cadeia alimentar.
8. - Reconhecer a importância dos elementos orgânicos e inorgânicos (nutrientes) para os processos
vitais dos organismos e dos ecossistemas.
9. - Compreender a dinâmica e o ciclo dos nutrientes nos ecossistemas.
10. -Reconhecer e caracterizar os diferentes biomas e os grandes tipos de ambientes aquáticos
mundiais.

CONTEÚDOS

a. - Níveis de organização e métodos de estudo da ecologia.
b. -Adaptação e ambiente ecológico, nicho ecológico e habitat. Seleção de microhabitat, aclimatação e
respostas evolutivas.
-Fatores abióticos: temperatura, pH, salinidade, água, solo, pressão, luz e nutrientes.
-Distribuição espacial, crescimento populacional e efeitos da densidade.
-Tipos de interações: Predação/Parasitismo/Herbivoria, Mutualismo e Competição.
-Coevolução: Adaptações de predadores e presas; parasitas e hospedeiros; e plantas e herbívoros.
Polinização e dispersão de sementes.
c. -Reprodução sexual e assexuada e suas implicações. Sistemas de acasalamentos, seleção sexual.
Seleção de grupo. Comportamento social e seleção de família.
d. -Estrutura e dinâmica dos Ecossistemas. Cadeias alimentares, níveis tróficos, pirâmides ecológicas
e de energia, eficiência ecológica.
e. -Conceito de Produtividade. Produção Primária (Medidas e padrões globais)
f. -Ciclos biogeoquímicos (água, carbono, nitrogênio, fósforo e enxofre).
g. -Reciclagem de nutrientes em sistemas terrestres e aquáticos.
h. -Os Biomas Mundiais (variações climáticas, geológicas e topográficas da Terra)..
i. -Os grandes tipos de ambientes aquáticos mundiais.

BIBLIOGRAFIA:

ALBERTS, B.; BRAY, D.; LEWIS, J.; RAFF, M.; ROBERTS, K.; WATSON, J.D. Biologia
Molecular da Células. 3ª Ed.. Porto Alegre/RS: Artes Médicas Sul Ltda, 1997.
CARVALHO, I.S.C. Paleontologia. São Paulo: Interciência, 2000.
FUTUYMA, D.J. Biologia Evolutiva. 2 ed. Ribeirão Preto/SP: Sociedade Brasileira de Genética. 1992.
LEWIN, R. Evolução Humana. São Paulo: Atheneu, 1999.
RICKLEFS, R. A economia da natureza. 5 ed. Rio de Janeiro/RJ: Guanabara Koogan. 2003.

9. FILOSOFIA
I – PROBLEMAS TEÓRICOS.

A) O problema do conhecimento. Questões relativas a sua possibilidade, origem e essência.
B) Filosofia e Ciência. O pensamento científico e suas categorias. Elementos fundamentais da
epistemologia das ciências da natureza e das ciências do homem.
C) O problema da linguagem. A questão da significação. Fundamentos da lógica analítica e da
dialética.

II – PROBLEMAS PRÁTICOS.
A) A conduta humana. Ética e moralidade. O problema da valoração moral.
B) Indivíduo, historicidade e sociedade.
C) A questão da liberdade.

III – PROBLEMAS POÉTICOS.
A) A questão do produzir. Arte e técnica. Arte e estética.
B) O juízo estético.
C) Arte e sociedade.

BIBLIOGRAFIA

1. CHAUÍ, M. Convite à filosofia. Ed. Ática, 1994.
2. GRANGER, G. G. Por um conhecimento filosófico. Ed. Papirus, 1989.
3. HESSEN, J. Teoria do conhecimento. Ed. Armênio Amado, 1980.
4. HUISMAN, D. A estética. Edições 70, 2005.
5. JASPERS, K. Iniciação filosófica. Guimarães Editores,1988.
6. KANT, I. Fundamentação da metafísica dos costumes. Ed. Abril. Col. Os Pensadores, 1973.
7. LACOSTE, J. A filosofia da arte. Jorge Zahar,1984.
8. MORAIS, R. Filosofia da ciência e tecnologia. Ed. Papirus, 1988.
9. NUNES, B. Introdução à filosofia da arte. Ed. Ática, 1991.
10. TUGENDHAT. E. Lições sobre ética. Ed. Vozes, 2005.

10. SOCIOLOGIA
TEMAS

1 – AUGUSTO COMTE E O POSITIVISMO NAS CIÊNCIAS SOCIAIS;
2 – ÉMILE DURKHEIM E A DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO;
3 – KARL MARX E A CRÍTICA DA SOCIEDADE CAPITALISTA;
4 – O MÉTODO COMPREENSIVO EM MAX WEBER;
5 – ARISTÓTELES E A POLÍTICA NA POLIS;
6 – MAQUIAVEL E A PRÁXIS POLÍTICA DO PRINCIPE;
7 – THOMAS HOBBES E A TEORIA DO ABSOLUTISMO CONTRATURALISTA;
8 – O BIOLÓGICO E O CULTURAL;
9 – O TRABALHO DE CAMPO E A PESQUISA PARTICIPANTE;
10 – CULTURA E IDEOLOGIA.

BIBLIOGRAFIA:

ARISTÒTELES. A Política (diversas publicações)
ARON, Raymond. As Etapas do Pensamento Sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 1993.
CASTRO, Ana Maria. Introdução ao Pensamento Sociológico. São Paulo: Cortez, 1993.
CHINOY, Ely. Sociedade: uma introdução à sociologia. 19. ed. São Paulo: Cultrix, 1993
COHN, Gabriel. Sociologia: para ler os clássicos. Rio de Janeiro - São Paulo: LTC S.A., 1977.
CUIN, Charles Henri; GRESLE, François. História da Sociologia. São Paulo: Ensaio, 1994. (Caderno
Ensaio Pequeno Formato; 10)
HARRIS, Marvin. A natureza da cultura. In: A natureza das coisas culturais. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 1968, p. 171-186.
IANNI, Octavio (Org). Marx. Coleção Grandes Cientistas Sociais, nº 10 de Sociologia. 4 ed. São
Paulo: Ática, 1984.
LAPLANTINE, François. Aprender Antropologia. São Paulo: Brasiliense, 1988, p. 95-188.
LARAIA, Roque. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar, 1986, 116p.
MALINOWSKI, Bronislaw. Tema, Método e Objeto desta Pesquisa. In: ____ Os Argonautas do
Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1979 (1922), p. 17-34.
MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe (diversas publicações)
MATTA, Roberto da. O ofício de etnólogo ou como ter “Antropological Blues”. In: OLIVEIRA,
Edson (org.). A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1980, p. 23-35.
MORAES FILHO, Evaristo de (org.) Comte. Coleção Grandes Cientistas Sociais, nº 7 - Sociologia -
São Paulo: Ática, 1989.
RODRIGUES, José Albertino. Durkheim. Coleção Grandes Cientistas Sociais, nº 1 de Sociologia. 4 ed.
São Paulo: Ática, 1988.
HOBBES, Thomas. O Leviatã, 2ª parte. Abril Cultural, Coleção Os Pensadores (diversas publicações).


Fonte -Mobilidade Acadêmica 2011

Conheça o acervo online de documentários latino-americanos

...

Via - E Guia do Estudante 
Conheça o acervo online de documentários latino-americanos

Documentários são uma ferramenta excelente para complementar o aprendizado e instigar a reflexão crítica. Felizmente, muitos títulos estão disponíveis online, seja em websites, no Youtube ou em serviços de streaming, como a Netflix.

Um dos acervos online que vale a pena conhecer é o CurtaDoc, dedicado a documentários latino-americanos. O website faz parte de um projeto criado pela Contraponto, uma produtora brasileira de conteúdo, em parceria com o Sesc TV. Segundo a descrição do projeto, o seu objetivo é “promover o acesso, o intercâmbio, a integração entre os países e idiomas, valorizando a produção e difundindo o audiovisual como patrimônio imaterial”.

Entre mais de 1000 documentários disponíveis, você encontra muitos que abordam o racismo, a questão LGBT, a pobreza, a desigualdade de gênero, entre outros assuntos. E a melhor parte é que você tem a oportunidade de conhecer a realidade de outros países da América Latina! Separamos três sugestões de documentários e mini documentários para vocês começarem a explorar a plataforma.


Dirigido por Miriam Chnaiderman, reúne depoimentos de alunos, professores e pessoas que foram coagidas e humilhadas por conta de sua etnia ou condição social.


O curta revela o Brasil como pioneiro na criação de uma lei para a mulher, a Lei Maria da Penha, e reúne relatos de mulheres vítimas de violência sexual, moral ou psicológica.


Com gancho na ocupação, em 2014, de um terreno abandonado no Morumbi, bairro de alto padrão em São Paulo, o curta aborda a questão da falta de moradia na capital paulista.
 

A CONSTRUÇÃO DE UM PASSADO PRÉ-COLONIAL:UMA BREVE HISTÓRIA DA ARQUEOLOGIA NO BRASIL

...


A CONSTRUÇÃO DE UM PASSADO PRÉ-COLONIAL:UMA BREVE HISTÓRIA DA ARQUEOLOGIA NO BRASIL

Link - http://www.revistas.usp.br/revusp/article/viewFile/30093/31978

#Arqueologia #Arqueologianobrasil

terça-feira, 27 de setembro de 2016

A História do Racismo e do Escravismo (BBC).

...
A História do Racismo e do Escravismo (BBC).

A "História do Racismo" é um documentário produzido e realizado pela British Broadcasting Corporation (BBC) - que aborda o legado deixado pelo racismo e pelo escravismo ao longo dos séculos -, como parte da comemoração do bicentenário da Lei de Abolição ao Tráfico de Escravos (1807), a BBC 4, dentro da chamada "Abolition Season", exibiu uma série composta por três episódios, independentes entre si, abordando a história e os aspectos do racismo pelo mundo. São eles: "A Cor do Dinheiro", "Impactos Fatais" e "Um Legado Selvagem".


Mapas Antigos do Brasil

...

Mapas Antigos do Brasil
Coleção Digital de 32 mapas do Séc XVI ao XIX

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

AUDIOLIVRO: "Dom Casmurro", de Machado de Assis

...
AUDIOLIVRO: "Dom Casmurro", de Machado de Assis

Projeto Livro Livre 
www.projetolivrolivre.com
A obra "Dom Casmurro", de Machado de Assis narrada em áudio.


Interconexão Brasil entrevista o professor da UFMG e presidente da ANPUH Rodrigo Patto Sa Motta

...
"Ofício do Historiador": Interconexão Brasil entrevista o professor da UFMG e presidente da ANPUH Rodrigo Patto Sa Motta

domingo, 25 de setembro de 2016

Biblioteca digital do pensamento da Nova Espanha - (Espanhol)

...


La BdPn es un proyecto dedicado a la publicación de ediciones críticas de textos impresos y manuscritos editados en Nueva España durante el siglo XVII. La edición de estas obras, en soporte digital, tiene como finalidad hacer accesibles a estudiantes, académicos e investigadores las fuentes novohispanas, para que sirvan como herramienta de investigación y de enseñanza sobre el pensamiento novohispano.


Link -




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...