26/03/2017

Cativeiro e cotidiano num ambiente rural: o Sertão do Médio São o Pernambuco (1840-1888)


  • Cativeiro e cotidiano num ambiente rural: o Sertão do Médio São o Pernambuco (1840-1888)
  • Dissertações de Mestrado - História


Resumo:
Este trabalho se propõe a discutir as relações escravistas no cotidiano do Sertão, entre 1840 e 1888, a partir de uma pesquisa documental realizada nos municípios pernambucanos que compõe a região do médio São Francisco. A segunda metade do século XIX destaca-se por ser o momento único da crise final do sistema escravista no Brasil. Tal contexto constitui um quadro de particular interesse, na medida em que se procura compreender a manutenção da escravidão no Sertão, que, por si só, já passava por uma crise interna. Baseando-se em dois tipos de fonte, que correspondem a documentos cartoriais e eclesiásticos de vários municípios da região, além de publicações impressas de moradores e viajantes, o ângulo de visão escolhido para compreender esse intricado momento foi o das relações construídas entre escravos, senhores e livres pobres da região. A crise e a pobreza levaram a uma maior aproximação entre os indivíduos de diferentes origens sociais e jurídicas. Todavia, a proximidade vivida incitava os descendentes dos antigos colonos a buscar alternativas que os identificassem enquanto elite e que os diferenciassem da massa de escravos e de trabalhadores livres pobres. Assim, numa conjuntura desfavorável, os senhores do Sertão utilizaram estratégias que permitissem, ao mesmo tempo, a transferência da mão-de-obra servil a outras regiões do país e a manutenção da escravidão no cotidiano local. Essas estratégias passavam pela adoção de práticas como a do co-senhorio, da produção endógena de cativos e inclusão de indígenas, miscigenados e confundidos com descendentes de africanos, entre os escravos. Aproximado no convívio cotidiano, o conjunto da população, já fortemente miscigenada, acabava interligado por uma rede de dependência. Assim, a dinâmica social vigente inseria todos os indivíduos nesta teia que unia os moradores por laços de parentesco, de compadrio e de solidariedade, mas também de poder e dependência. O lugar destinado a cada um nessa rede relacional dependia muito do que o indivíduo tinha a oferecer ao grupo. Sendo o escravo desprovido de bens de valor monetário, restava-lhe os elementos de ordem simbólica que são também valorizados nesta teia, tais como o parentesco e o compadrio, a capacidade de trabalhar, a fidelidade e a religiosidade. Dentro desta dinâmica, os indivíduos escravos agiam sempre em busca de melhores condições de vida, todavia, tendo menos a oferecer, eles acabavam sempre como as partes mais vulneráveis das relações construídas com os demais indivíduos. Por isto, as conseqüências da pobreza eram sempre mais acentuadas nesta parcela da população, inserida numa sociedade como um todo mergulhada na fragilidade

Para baixar Clique Aqui 
Posts Relacionados Plugin for WordPress, Blogger...

Públicidade


 "Na idade média, o homem reza antes de sair de casa, hoje ele lê o jornal"   O último discurso de Martin Luther King,   Inauguração do Metrô de Mescou, 1935 
Diferencia entre los mayas y aztecas O Tráfico de escravos do Atlântico em 2 minutos. A Serpente emplumada, a história de Quetzalcoatl

Mais Vídeos AcervoPlay